Há quem diga workshops. Outros dizem ateliers. Nós chamamos-lhes oficinas — onde não há graxa, mas sim letras. Espaço livre, complementar à formação, para, sem luvas, pormos a mão na massa e nos aventurarmos por novos territórios.